Posts tagged ‘Franchise Store’

Franquia como alternativa de carreira (PLANO B)

Desde que meus sócios e eu inauguramos a Franchise Store (www.franchisestore.com.br), uma loja situada em São Paulo que atualmente oferece franquias de cerca de 45 marcas de vários segmentos, temos observado um interesse crescente por parte de executivos de quatro grupos distintos, todos vendo na aquisição de uma franquia um “Plano B”, ou seja: uma alternativa de carreira.

O grupo mais numeroso, evidentemente, é formado pelos que foram demitidos recentemente. Os mais afortunados chegam a nós orientados por alguma empresa de “outplacement” ou de aconselhamento de carreira, que os ajudou a fazer uma auto-análise que mostrou que uma franquia talvez seja a sua praia. Outros, por conhecerem histórias de quem se deu bem como franqueado.

O segundo grupo, quase tão numeroso quanto o primeiro, é o dos que ainda não foram demitidos, mas acham que o serão a qualquer momento. E preferem não esperar sentados. É interessante observar que muitos se mostram mais ansiosos do que os que já receberam o bilhete azul.

O terceiro agrupamento, pouco numeroso, é composto pelos que NÃO perderam seus empregos. Foram poupados nos cortes, mas perderam a qualidade de vida. Fazem sozinhos o trabalho que antes dividiam com um, dois ou mais de seus pares. Estão cansados da vida que levam. E na qual não enxergam grandes perspectivas.

O último é o time dos que planejam a longo prazo. Não se sentem ameaçados por nenhum corte iminente. Mas sabem que não continuarão para sempre fazendo o que fazem. Percebem que, um dia, por aposentadoria, dispensa ou decisão própria, vão partir para uma nova carreira. E gostariam que a mesma envolvesse uma dose de empreendedorismo. Mas não se sentem dispostos a arriscar tudo num negócio que parta “do zero”. Sabem que o franchising oferece uma forma bem mais segura de empreender.

Tenho visto diretores, vice-presidentes e presidentes de empresas investindo em franquias dos ramos mais diversos, as quais, num primeiro momento, serão operadas, no dia a dia, pela mulher, por um filho, irmão, cunhado ou amigo. Nessa primeira fase, o principal investidor se envolve pouco no negócio, embora participe da definição de estratégias e das finanças e acompanhe interessadamente os indicadores de desempenho. Mas seu plano é claro: dando certo a primeira franquia, quer investir em outra e depois outra e mais outra – da mesma marca ou ramo ou até de setores diferentes.

Quando seu portfólio de franquias estiver gerando receita suficiente, o executivo poderá, então, decidir se mantém seu emprego, ou diz logo adeus ao patrão e vai cuidar dos próprios negócios. Só ele é quem irá decidir, não o patrão e muito menos algum “board” que se reúne sabe Deus onde e toma suas decisões como se toda uma empresa não passasse de uma simples linha numa planilha ou numa tela do SAP.
Marcelo Cherto

Anúncios

20 de novembro de 2009 at 13:00 Deixe um comentário

Executivos investem em franquias


Na Franchise Store, a loja situada em São Paulo que comercializa franquias de 61 marcas diferentes, nota-se um interesse cada vez maior, por parte de executivos bem empregados e bem sucedidos, na aquisição de uma franquia. Principais motivos:

1-) diversificar seus investimentos e “espalhar” riscos, distribuindo seus ovos por mais de uma cesta (e não ficando nas mãos das decisões de algum “Board” maluco, que pode resolver torrar toda a grana da empresa em derivativos ou algum jogo mais arriscado);

2-) aprender mais sobre um mercado ou negócio diferente;

3-) se reciclar e/ou adquirir know-how de gestão;

4-) criar uma alternativa de negócio próprio para a mulher, o marido, um filho ou para algum outro parente – fora do negócio da família.

5-) converter o próprio negócio numa franquia e, assim, passar a fazer parte de uma rede estruturada, que opera sob uma marca forte. Afinal, nos últimos anos, certos mercados se tornaram muito competitivos e tiveram suas margens fortemente reduzidas. Em muitos casos, passar a fazer parte de uma rede bem estruturada deixa de ser “mais uma opção” para se tornar uma questão de sobrevivência.

As estatísticas comprovam que apenas cerca de 30% a 40% dos negócios independentes formais chegam a completar três anos de vida, contra um índice de sucesso superior a 95% para as franquias no mesmo período. Isso mostra que, também como alternativa de diversificação de investimentos, a aquisição de uma franquia pode fazer sentido.
Marcelo Cherto/strong>

6 de novembro de 2009 at 9:00 Deixe um comentário


Posts recentes

Siga a GrowBiz no Twitter

Feeds